A Música nos Videogames: Koji Kondo

Em 13 de agosto de 1961, nascia Koji Kondo, um músico japonês, compositor, pianista e diretor musical, conhecido por suas contribuições nas séries de videogames Super Mario e The Legend of Zelda, e muitos outros. Kondo foi contratado pela Nintendo em 1984, e trabalha lá desde então, tornando-se o primeiro na empresa a especializar-se em composição musical para videogames. Logo após seu início na Nintendo, Kondo foi escolhido como designer de som do jogo Super Mario Bros, de 1985. Esse trabalho foi frequentemente citado como uma das mais memoráveis contribuições para a música nos​ videogames.

Biografia

Kondo nasceu em Nagoya, cidade no Japão localizada na costa do Pacífico, no ano de 1961. Ele começou a ter aulas de órgão eletrônico já aos cinco anos de idade. Aprimorou suas habilidades no instrumento em uma banda cover que tocava jazz e rock. Kondo estudou no Departamento de Planejamento de Arte da Universidade de Osaka, mas nunca foi treinado de forma clássica na música.

Ele apreciava jogos de arcade, como Space Invaders e a série Donkey Kong, e pensou que esse poderia ser o lugar onde encontraria o tipo de criação de som que estava procurando. Ele ganhou alguma experiência em compor e arranjar peças, usando piano e um computador para programar sons em BASIC. Mas será que Kondo seria bem sucedido nessa escolha incomum?

Em 1984, durante o último ano de Kondo em seu curso, a Nintendo enviou à sua universidade uma mensagem recrutando colaboradores para composição musical e programação de som para jogos eletrônicos. Ele se candidatou ao emprego, e foi contratado sem ter que apresentar uma fita de demonstração, o que era comum na época. Kondo relembra: "Eu encontrei meu caminho para a Nintendo olhando para o quadro de empregos da escola. Você deveria se inscrever em muitas empresas diferentes, mas eu vi o anúncio da Nintendo, e gostava de fazer sintetizadores e de jogos. Então pensei: esse é o lugar para mim. Fiz uma entrevista com a empresa e é onde estou desde então." Kondo é a terceira pessoa contratada pela Nintendo para criar música e efeitos sonoros para seus jogos, juntando-se a Hirokazu Tanaka e Yukio Kaneoka. No entanto, ele foi o primeiro na Nintendo a se especializar em composição musical.

Seu primeiro trabalho na Nintendo foi o design de áudio para o jogo de fliperama de 1984 Punch-Out!! Como o Famicom havia se tornado popular no Japão naquela época, Kondo foi designado para compor músicas para os jogos subsequentes do console na nova divisão de análise e desenvolvimento da Nintendo, a EAD. Seu segundo trabalho na Nintendo foi um manual de instruções sobre como programar música popular japonesa no Famicom usando o periférico Family BASIC. Para concluir seu primeiro ano na Nintendo, ele criou algumas das músicas do Devil World, juntamente com Akito Nakatsuka.

Então, em 1985, a Nintendo começou a comercializar o Famicom no exterior como Nintendo Entertainment System, o NES. E o jogo em desenvolvimento, Super Mario Bros., foi o primeiro grande trabalho de Koji Kondo na Nintendo. Super Mario tornou-se um desafio para o jovem músico, pois seu objetivo aqui era que as melodias do jogo, com pequenos segmentos de música, pudessem ser repetidos indefinidamente durante os níveis, e isso sem causar tédio no jogador. Felizmente, Kondo foi bem sucedido. O tema principal tornou-se icônico na cultura popular, e já foi apresentado em mais de 50 shows ao redor do mundo. É conhecido quase que universalmente, sendo também um dos toques para celular mais vendidos até hoje. Foi remixado ou rearranjado por vários músicos por mais de 30 anos. Vamos escutar um trecho do tema Overworld de Super Mario Bros. original 8 bit e arranjado com instrumentos reais.

O trabalho de Kondo nas partituras do jogo The Legend of Zelda também se tornou altamente reconhecido. Ele produziu parte da trilha sonora do jogo; o tema overworld tornou-se comparável em popularidade ao tema principal de Super Mario Bros. Após o sucesso de The Legend of Zelda, ele ainda trabalhou em dois jogos exclusivos do Japão: The Mysterious Murasame Castle de 1986 e Shin Onigashima de 1987. Ele ainda criou a trilha sonora de Yume Kōjō: Doki Doki Panic também de 1987, o qual mais tarde foi rebatizada fora do Japão como Super Mario Bros. 2 em 1988.

A música de Kondo para Super Mario Bros. sempre foi concebida em torno da sensação de movimento, que reflete a experiência física do jogador. Isso seguiu a filosofia do criador e designer da série, Shigeru Miyamoto, que exigia que o áudio do jogo fosse feito em sincronia com os elementos do jogo. Para isso, ele fez uso de gêneros que são usados ​​principalmente para a dança, como música latina e valsa. No primeiro Zelda, Kondo justapõe o tema do mundo superior do jogo ao tema que se reproduz nas masmorras, também destacando a importância de projetar personagens distintos por meio da música, para que os jogadores saibam quase imediatamente onde estão no jogo. Kondo usou esse contraste em outros jogos em que trabalhou, incluindo Super Mario Bros.

Kondo ainda voltaria à série Super Mario para produzir as partituras de Super Mario Bros. 3 em 1987 e do título de lançamento do Super Nintendo, Super Mario World em 1989. Essas trilhas seriam rearranjadas por Koichi Sugiyama, que atuou na direção de um álbum de jazz de Super Mario World, no primeiro Concerto Musical Orquestrado de Jogos de Videogame em 1991. Depois de terminar a trilha sonora de Super Mario World, Kondo foi responsável pela programação de som para o jogo Pilotwings de 1990, e também compôs o "Tema do helicóptero" para ele. Depois disso, trabalhou nos efeitos sonoros do primeiro desafio da aclamada série Star Fox de 1993.

Ainda obteve o privilégio de compor a trilha sonora para a sequência de Super Mario World, sendo esta A Ilha de Yoshi, de 1995, sendo muito bem sucedido, como nos anteriores jogos da série, compondo canções belas e agradáveis. No entanto, em meados dos anos 2000, Kondo passou a treinar novos músicos na Nintendo. Seu último trabalho solo foi compor para o jogo The Legend of Zelda: Ocarina of Time, cujas canções ficaram marcadas na memória dos seus jogadores. A partir daqui ele tem colaborado com outros membros da equipe da Nintendo, aconselhando e supervisionando músicas criadas por outros, bem como fornecendo composições adicionais para jogos, incluindo o clássico Super Mario Galaxy, outros The Legend of Zelda, como o Skyward Sword e também Super Mario 3D World. Ele também atuou como diretor de som e compositor principal de Super Mario Maker e sua sequência, Super Mario Maker 2

Conclusão

Koji Kondo foi chamado para participar da estreia mundial no espetáculo Play! Uma sinfonia de videogame no Rosemont Theatre em Illinois, Estados Unidos em maio de 2006, onde sua música das séries Super Mario Bros. e The Legend of Zelda foi executada por uma orquestra sinfônica completa. Ele também participou e atuou em uma série de três concertos celebrando o 25º aniversário da série Zelda no final de 2011.

Certamente, o trabalho de Koji Kondo em clássicos como Super Mario, Zelda, Star Fox e muitos outros, foram fundamentais para a indústria de videogames como a conhecemos hoje. Sua busca por melodias rítmicas que seguiam o desenrolar do jogo atribuíram à música uma nova perspectiva. Sem ser cansativas ou maçantes, as trilhas compostas por Kondo marcaram toda uma geração de jogadores, que continuam homenageando esse gênio dos videogames, por meio de inúmeros remix e rearranjos dos seus clássicos. Enfim, Koji Kondo se tornou um dos mais renomados e importantes profissionais da arte de fazer jogos eletrônicos.