Quanto Custavam os Videogames em 1995? - Série Viagem no Tempo 

Olá! Seja bem vindo ao canal História dos Videogames! Neste primeiro episódio da nova série Viagem no Tempo, vamos até o ano de 1995. Este foi um ano significativo na história dos videogames!

Série Viagem no Tempo

Foi em 1995 que diversos sistemas de sucesso foram lançados, como o Sega Saturn e o famigerado Sony Playstation no mercado ocidental. Foi também nesse ano que o grande fracasso da Nintendo, o Virtual Boy chegou às lojas de todo o mundo. O Sega 32X já estava no mercado há algum tempo, e o 3DO e o Atari Jaguar estavam saindo de cena. O nintendinho e o Master já ficavam para trás no mercado nacional, e os sistemas de 16 bits estavam no seu auge, enchendo as locadoras de crianças e adolescentes para uma disputa de Street Fighter ou uma partida de International Superstar Soccer. Foi um ano de destaque também em outras áreas da tecnologia. Em março deste ano, o site de pesquisas Yahoo! foi ao ar, e em agosto a Microsoft lança o software de computador que revolucionaria o mercado: o Windows 95. Talvez você tenha comprado seu primeiro sistema de videogames durante esse ano. Foi em 1995 que comprei meu clone do Nintendo 8 Bits, um Prosystem 8, da Chips do Brasil. 

Mas quanto custava um videogame no Brasil nessa época? Vamos agora viajar no tempo e descobrir o valor dos consoles de videogame mais famosos por aqui em outubro de 1995! Está preparado? Então vamos lá!

A revista Super GamePower, na sua décima nona edição, de outubro de 1995, publicou uma matéria intitulada “Escolha seu Console”. Esse artigo vai servir de base para descobrirmos quanto custavam os videogames neste ano no Brasil. A moeda já era o Real, a mesma que utilizamos hoje, só que muito mais forte na época. Hoje, quase trinta anos depois, ela desvalorizou bastante. Muitos sistemas de videogame estavam disponíveis em nosso mercado naquele ano, uma vez que Sega, Nintendo e outras empresas estavam presentes no mercado nacional.

Revista Super GamePower, Outubro de 1995

O Super Nintendo

Vamos começar nossa viagem descobrindo quanto custava um dos consoles mais famosos por aqui: o Super Nintendo. Montado pela Playtronic na época, uma joint venture entre as marcas Estrela e Gradiente, um SNES nacional era vendido por R$319,00 reais, segundo a revista Super GamePower. Era muito comum entrar em uma loja de eletro ou de departamentos, na época, e encontrar um belo expositor cheio de cartuchos para o Super Nintendo. Era muito legal ver os consoles à venda por todo lugar. Bem diferente de hoje, em que, com raras exceções, vemos um sistema Nintendo nas lojas. Vamos usar a calculadora do Banco Central do Brasil e ver quanto custaria hoje um Super Nintendo original Playtronic. Em outubro de 1995 ele custava R$319,00 reais. Hoje, com a correção de valor, não sairia por menos de R$ 3.000,00, mais exatamente R$ 3.070,36! Isso mesmo, não era nada barato comprar um Super Nintendo! Se fosse hoje teria que desembolsar quase três salários! Vamos ver uma propaganda Playtronic da época:

Artigo "Escolha Seu Console"

O Master System

Mas… e quanto custava um Master System produzido pela Tec Toy? Um clássico dos anos 90, o Master vendeu milhões de unidades no Brasil, e se tornando um dos sistemas mais bem sucedidos no mercado nacional. Quantos de vocês não tiveram um Master com Alex Kidd na memória? Mas quanto custava  SMS em 1995? Comentando que “O Master System da Tec Toy reaqueceu a febre pelos games depois do declínio do Atari” … “com milhão de consoles vendidos no Brasil”... a Super GamePower trouxe o preço do videogame: R$125,99 reais. Vamos fazer a conversão e ver quanto custaria hoje. Bem, para um console que já estava no mercado a bastante tempo, o preço assusta um pouco: Hoje o Master não sairia por menos de R$ 1.212,65 reais. Vamos assistir um comercial nacional da época.

O Game Boy e Game Gear

Mas tínhamos também os portáteis nacionais. Um deles era o conhecido Game Boy. E quanto custava? Sobre o portátil a revista fez o seguinte comentário: “Sistema de 8 bits monocromático, o pequeno Game Boy é a opção para quem quer diversão rápida e sem problemas com os fios. Possui uma boa autonomia com pilhas. Seus jogos são compatíveis com o SNes, usando-se um adaptador. Preço: R$ 119,00. Hoje o Game Boy fabricado pela Playtronic custaria R$ 1.145,37. Muitos anúncios do portátil podiam ser vistos nas revistas e comerciais da época.

O concorrente direto do Game Boy, o Game Gear, com sua bela tela colorida e disposição na horizontal, fabricado pela Tec Toy na sua fábrica em Manaus, com parte da produção feito na Evadin, uma coligada, saía por não menos de R$ 189,00 reais. E quanto custaria para comprar hoje? O preço era salgado! Em torno de R$ 1.819,12! Seria mais caro que um Nintendo Switch portátil!

O Neo Geo

Sabemos que comprar videogame no Brasil nunca foi uma tarefa fácil, mas esse console conseguiu superar quase todos os outros no quesito preço. O sistema Neo Geo CD era certamente um dos videogames mais caros no mercado nacional no final de 1995. A revista comentou: “Os jogos para o Neo Geo CD têm bom visual e são legais de jogar. Todos os jogos de arcade da SNK estão disponíveis no Neo Geo CD. Mas nem tudo são flores, é preciso um pouco de paciência ao esperar os jogos carregarem. Caso você queira trazer para casa bons jogos de arcade, vale a pena pensar neste investimento.” Valor? R$ 650,00 reais! Isso mesmo! Um Neo Geo sairia hoje por R$ 6.256,22! Seria como comprar um videogame de nova geração!

O Mega Drive

O Mega Drive, o primeiro 16 bits em território nacional, produzido pela Tec Toy, ainda fazia boas vendas neste ano. Com o Saturn ainda ganhando força, o Mega era o carro chefe da empresa por aqui! Seu preço era de R$ 289,99 reais, e com valor corrigido sairia por R$ 2.791,14 hoje. Agora, se você quisesse ter também o add-on 32X, teria de desembolsar mais R$ 399,99, ou R$ 3.840,36 em conversão direta. Tudo sairia mais de R$ 6.500,00 reais! Não é à toa que o 32X não vendeu muitas unidades! 

O Sega ou Mega CD

O Sega CD

O velho e bom Sega Cd estava no seu fim de carreira! Mais por aqui ainda contava com certa medida de popularidade. A revista comentou: “Enquanto o Mega Drive estiver em alta, o mesmo acontece com o Sega CD. Junto com o 32X, o CD-Rom da Sega promete enfrentar a concorrência do Saturn. Com o Sega CD, os jogos do Mega Drive podem chegar a 540 Mega de memória, além de aumentar a qualidade sonora do 16 Bits da Sega.” O Sega CD custava R$ 349,00, hoje R$ 3.359,11! Bem, não é preciso nem comentar que o MegaZord custaria quase o preço de um carro básico usado hoje!

O Virtual Boy

E quanto custava na época o grande fracasso da Nintendo? O Virtual Boy? A revista disse que “O novo portátil da Nintendo herda do seu antecessor Game Boy as duas cores. Aqui, vermelho e preto dão o tom. A tecnologia 32 Bits permite a sensação de 3 dimensões. Quatro títulos fazem parte do primeiro pacote, mas outros já estão na boca do forno.” O preço inicial do Virtual Boy era de nada menos que R$ 399,00 reais, R$   3.840,36 nos valores atuais! Em pouco tempo estaria sendo vendido pela metade do preço, e pouco tempo depois quase dado! Hoje é caríssimo!

O Sega Saturn

32 bits e gráficos poligonais de primeira! Esse era a novidade do momento: O Sega Saturn! lançado no mercado nacional quase que simultaneamente com o americano, o Saturn era o queridinho e mais poderoso sistema no mercado nacional! Montado pela Tec Toy, custava absurdos R$ 899,00, ou R$ 8.661,50 com valores corrigidos. Quem poderia ter um videogame tão caro? Certamente o Saturn era um produto para poucos privilegiados! Vamos dar uma olhada em um comercial da época.

Por fim, o NES, ou nintendinho como era conhecido por aqui! Talvez esse videogame foi a porta de entrada para muitos que jogam até hoje! Um campeão de vendas, o nintendinho já estava aposentado em muitos mercados, mas por aqui a Playtronic ainda fabricava o 8 bits. Era possível encontrar muitos cartuchos de NES nas locadoras ou com vendedores ambulantes que comercializavam cartuchos piratas. O nintendinho saia por R$129,00 reais, valor convertido R$ 1.241,62. A Playtronic continuaria a produzir o NES nacional por mais algum tempo, até tirá-lo de cena depois da chegada do Nintendo 64.  

O que acharam desses preços? De fato, desde os tempos dos clones do Atari Pong e do 2.600, comprar videogames no Brasil não é uma tarefa fácil. Talvez muitos de nós, ainda crianças na época, ganhamos nossos consoles a custo de muita insistência com os pais ou avós. E certamente eles faziam grandes sacrifícios para comprar esses aparelhos tão caros, talvez até mesmo deixando de comprar alguma coisa que eles gostavam, ou outro produto necessário para a família. Voltando para os dias atuais, podemos agora ter mais consciência da árdua tarefa que eles tinham! Eu gostei bastante dessa matéria, e vou publicar a revista no site Históriadosvideogames.com. Quer ver a edição completa? Então acessa lá! 

Muito obrigado por assistir a mais esse episódio! Gostou do vídeo? Então deixe seu comentário, e até o próximo!

Assista o vídeo!